segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Círculo de Avebury

Foto feita no chão e nos dias atuais do local (dando evidência às rochas)


O Círculo de Avebury, maior monumento pré-histórico da Europa, situado no condado britânico de Wiltshire, originalmente era composto por 200 pedras eretas, pesando até 60 toneladas cada, que se encontravam dispostas em três círculos; uma combinação de fosso e rampa rodeava o conjunto. Os seus trinta hectares abrangem hoje grande parte da Vila de Avebury, sendo o restante recoberto de prados.Durante a Idade Média o círculo sofreu danos irreparáveis. Na época, acreditava-se que eram obra do demônio e grande parte dos megalitos foram derrubados, enterrados ou destruídos. Só a partir de 1932 o círculo passou a ser protegido, na seqüência das primeiras escavações arqueológicas no local. Os fins a que se destinava este círculo permanecem obscuros, alimentando teorias para todos os gostos. Uma das mais recentes, e delirantes, foi sugerida pelo astrônomo britânico Peter Oakley: assinalando as semelhanças de Avebury com a formação rochosa da superfície de Marte, chamada Cydonia, e calculando em um para cem bilhões as possibilidades de tal coincidência, sua sugestão é de que o círculo de Avebury é obra de marcianos errantes, nostálgicos do planeta-mãe. Por essa teoria, Peter Oakley foi tachado como sendo um louco, mas até hoje (mesmo com escavações arqueológicas ocorrendo periodicamente no local), não se sabe nem que povo construiu tal façanha nem mesmo para qual objetivo.
Fotomontagem aérea fazendo uma reconstituição de como seria o

local antes das destruições ocorridas na Idade Média.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Dois sols em 2012?


Vários sites pela internet divulgaram que a estrela Betelgeuse logo irá virar uma supernova e, em 2012, irá brilhar em nosso céu como um segundo Sol.
No entanto, segundo cientistas, isso é completamente infundado.
De acordo com especialistas, a Betelgeuse está, sim, a caminho de se tornar uma supernova e isso deve acontecer logo – mas esse “logo” está em termos astronômicos, e pode acontecer daqui a um milhão de anos.
Ninguém tem certeza de quando a explosão irá acontecer realmente, mas mesmo que estejamos aqui para testemunhar, a supernova não apareceria no céu como um segundo Sol. Ela se aproximaria, no máximo, com o brilho de uma lua crescente.
Segundo os astrônomos, ela seria brilhante e apareceria no céu mesmo durante o dia e, com certeza, assustaria muita gente, mas não seria nem de perto tão brilhante quanto nosso Sol.

Triângulo do Dragão

Todo mundo certamente já ouviu falar do Triangulo das Bermudas, mas poucas sabem que no outro lado do mundo também existe um triangulo misterioso, onde muitas coisas desaparecem sem deixar vestígios.

O Triangulo do Dragão, conhecido também como o Mar do Diabo, é uma região ao sul de Tóquio, que ficou famosa depois da publicação de um livro escrito por Charles Berlitz, no qual os fatos ocorridos de verdade foram aumentados para uma maior dramaticidade, porém isso acabou despertando a curiosidade de muitas pessoas sobre o assunto.

A lenda sobre o Mar do Diabo é algo antigo no Japão, contudo sua fama começou a se espalhar quando o governo japonês mandou uma embarcação para investigar outros desaparecimentos que haviam ocorrido, porém essa embarcação também sumiu misteriosamente, depois disso foi declarado que o local era perigoso e o governo não quis mais investigar.

Depois disso o mistério em volta do local foi crescendo conforme o número de desaparecimentos também aumentava

Curiosamente, o Triângulo das Bermudas situa-se diretamente na mesma linha de latitude do triângulo do dragão, 35 graus, levando muitos pesquisadores a acreditar que exista um Buraco de minhoca, um tipo de túnel que poderia ligar o Triângulo das Bermudas com o Triângulo do Dragão, dando a entender que um dos dois triângulos serve como buraco negro e o outro como um buraco branco.
.Inclusive foi feito um documentário sobre o local, contando a história completa e tentando revelar os mistérios do Triângulo do Dragão:
















sábado, 29 de janeiro de 2011

Círculo em plantação de arroz e intriga indonésios

O primeiro agroglífo da Indonésia apareceu e os habitantes da região o classificam como evidência de vida alienígena.

Encontrado em uma plantação de arroz em um vilarejo de Sleman, Yougyakarta, o agroglífo é formado por triângulos e círculos, com um diâmetro de aproximadamente 70 metros.  Apesar de alguns observadores dizerem que se trata de algo feito pelo homem, os habitantes locais e autoridades do governo estão tendo dificuldades para encontrar uma explicação concreta.

“De acordo com vários habitantes do vilarejo, eles viram um tornado sábado à tarde [22/01/2011]“, disse Ngadiran, um dos seis fazendeiros proprietário de terras em Sleman. “No domingo à tarde, nós vimos as pegadas em nossas plantações“.

O agroglífo foi relatado primeiramente por um fazendeiro chamado Tukiman, no domingo às 06h00min.  Sua história atraiu multidões, causando um grande congestionamento na região.  Os habitantes locais parecem todos terem suas próprias teorias da origem da misteriosa ocorrência.

“Eu acho que eles foram feitos por uma nave alienígena, como a que eu ví na TV“, disse Cahyo Utomo, na segunda-feira, ao Jakarta Post. “É impossível que isto tenha sido feito pelo vento ou qualquer animal“.

Outros apontaram para a simbologia peculiar do agroglífo. “Este agroglífo em particular é fascinante, pela sua semelhança com o muladhara chakra, um dos chakras básicos do Hinduísmo“, disse Perdana à uma agência de notícias local.

Porém, as autoridades permanecem céticas de que o agroglífo seja evidência de um contato mais próximo com alienígenas.

“Não enviaremos investigadores ao local porque suspeitamos que humanos estejam envolvidos, e não um fenômeno natural ou científico associado às criaturas do espaço sideral, comumente conhecidas como alienígenas“, disse Thomas Djamaluddin, chefe de pesquisas astronômicas da agência espacial da Indonésia.

O surgimento de agroglífos ao redor do mundo tem aumentado desde a década de 1970, sendo que, devido aos misteriosos desenhos, fazem com que muitos acreditem que sejam o trabalho de OVNIs.

Em 1991, Doug Bower e Dave Chorley declararam que eles foram responsáveis por esta “moda”, demonstrando suas habilidades de fazer ornamentos simples nas plantações em menos de uma hora, utilizando cordas e tábuas para amassarem a plantação.


Alguns dos agroglífos foram provados como forjados, mas outros permanecem um mistério, devido ao fato de não haverem pegadas humanas até o local, bem como os caules das plantas não terem sido quebrado

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Buraco negro supergigantesco


Não dá pra ver buracos negros. Eles absorvem tudo, até mesmo a luz. Mas dá pra ver como as coisas ficam ao redor dele. Na verdade, você está olhando para um agora mesmo: o buraco negro supergigantesco no centro da galáxia M84. Ora, você sabe que buracos negros rodam em 8 bits.
A M84 está no aglomerado de Virgem de galáxias, a 50 milhões de anos-luz da Terra. Este buraco negro tem a massa de 300 milhões de sóis. Cientistas usaram o Espectógrafo de Imagem do Telescópio Espacial Hubble para capturar este formato de ziguezague, que mostra a “rotação rápida do gás no centro da galáxia” enquanto ela é devorada pelo monstro faminto.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Descobertos dois novos geoglifos em Nazca

Cientistas japoneses descobriram dois novos geoglifos perto das linhas de Nazca, com a forma de uma cabeça humana e um animal, perto de um templo, a cerca de dez quilômetros das linhas.

O reitor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Yamagata, Yoichi Watanabe, explicou que a figura da cabeça humana, tem cerca de 4,2 metros largura e 3,1 metros de de comprimento, e se pode reconhecer os dois olhos, a boca, e a orelha direita, enquanto o outro desenho tem a forma de um animal não identificado, de 2,7 metros de largura e 6,9 metros de comprimento.


Geoglifo com forma de cabeça humana encontrado em Nazca

O reitor disse que "é raro encontrar geoglifos de partes humanas" e acredita que os desenhos não foram previamente vistos do ar, porque eles são pequenos, comparados com as figuras conhecidas de Nazca, onde algumas medem quase 275 metros de comprimento.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O Clube dos 27




Grandes artistas, todos no auge da carreira, fazendo sucesso em todo mundo, sendo considerados revolucionários no que fazem. Então, de repente, sem aviso, eles morrem todos aos 27 anos de idade. Coincidência? Maldição? Pacto com o demônio? O que será que matou alguns dos maiores ícones do Rock, todos com a mesma idade?

O primeiro a entrar nessa lista macabra foi Robert Johnson (08/05/1911 – 16/08/1938), ele que era considerado um dos grandes gênios da guitarra de sua época, acabou falecendo aos 27 anos, de uma causa desconhecida, pois nenhum médico atestou seu óbito. Muito se fala que sua morte foi causada pelo pacto que ele havia feito com o Diabo, para que conseguisse tocar guitarra e fazer sucesso. Mesmo com a carreira interrompida tão cedo, Robert foi uma forte influência a centenas de músicos que vieram depois dele, tais como: Bob Dylan, Eric Clapton e até mesmo Jimi Hendrix.



O segundo grande músico a fazer parte dessa lista foi Brian Jones (28/02/1942 – 03/07/1969), um dos fundadores do Rolling Stones. Ele foi encontrado morto em sua casa, afogado na piscina, somente em 1993 o assassino confessou o crime. Mesmo assim sua morte ainda está envolta em muito mistério.


O terceiro a fazer parte do Clube dos 27 foi uma das estrelas mais importante de toda a história do Rock. Jimi Hendrix (27/11/1942 – 18/09/1970), considerado por muitos como o maior guitarrista de todos os tempos, também teve sua vida encurtada, falecendo aos 27 anos, engasgado com o próprio vomito.

Por sua morte ter sido bastante incomum, muitas teorias começaram a surgir, mas foram poucos dias depois e a morte de outra estrela do Rock que fizeram a lenda do Clube dos 27 criar fama

Apenas 16 dias após a morte trágica de Jimi Hendrix, outra importante figura do Rock morreu, também aos 27 anos de idade. Janis Joplin (19/01/1943 – 04/10/1970) faleceu devido a uma overdose de heroína. Ela que teve uma história curta mais marcante na música, deixou milhões de fãs desolados com outra perda importante em pouco tempo.



Mal o Rock’n’Roll havia se recuperado de duas importantes baixas no ano de 1970, mais uma estrela partiu, deixando uma tristeza enorme. Jim Morrison (08/12/1943 – 03/07/1971) devido a ataque de coração, mas poucas pessoas acreditam no relato oficial, muitos dizem que a verdadeira causa seria overdose, apesar de Jim não ser um consumidor ferrenho de heroína.



Muitos anos se passaram e a lenda do Clube dos 27 estava meio esquecida, mas no ano de 1994 ela ressurgiu com toda a força, pois o maior ídolo do Rock naquela época, Kurt Cobain (20/02/1967 – 05/04/1994), cometeu suicídio no auge do sua carreira, quando ele tinha 27 anos de idade.



Depois da morte de Kurt, o Clube dos 27 se tornou uma das lendas mais famosas da história do Rock, todo mundo especula se é tudo apenas coincidência ou se os grandes roqueiros são pessoas que vendem sua alma ao demônio para alcançar a fama e acabam sendo buscado por ele quando completam 27 anos. Ou ainda se é apenas uma espécie maldição que atinge os músicos talentosos.



Uma resposta que esclareça o motivo dessas mortes misteriosas, de grandes músicos sempre com 27 anos, não existe. O Clube dos 27 será sempre um mistério, uma lenda que acompanhará o nome de grandes estrelas do Rock.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Misteriosa substância viscosa de cor amarelo-esverdeada cai do céu em Nova York




O FAA (Federal Aviation Agency – Agencia Federal da Aviação dos Estados Unidos) lançou uma investigação para descobrir o que causou a gosma de cor amarela-esverdeada cair do céu em Snyder, Nova Iorque terça-feria passada, dia 18 de janeiro.

Casas ao longo da Rodovia Washington e Berryman Drive estão cobertas com gelo contendo esta gosma. As paredes e pavimentos estão cobertos com a substância.

Os residentes da região disseram que a substancia misteriosa apareceu entre 09h00min e meia-noite na terça-feira.

Devido a cor e á textura da gosma, as pessoas receavam que se tratava do “gelo azul”, que é o excremento humano que pode cair de aviões, relatou a ABC News. Porém, o FAA rapidamente lançou uma investigação e descartou essa possibilidade.

Um porta voz falou para a ABC que “os inspetores de padrões de vôos locais investigaram a situação e determinaram que a gosma não era proveniente de aeronaves“.

Então, o que poderia ser?

O engenheiro de saneamento da cidade disse que eles estão investigando, e que já têm algumas teorias “desagradáveis”.

“Recebemos um telefonema esta manhã de uma mulher, proprietária de uma casa na mesma rua. Ela nos deu sua explicação, pois isto já havia ocorrido para ela no ano passado“, disse Lisa Kistner, uma porta voz do Gabinete do Supervisor de Amhest Town. “Ela disse que isto é causado pelas gaivotas que comem restos de comida do McDonald’s, e isto desarranja seus intestinos“, explicou Kistner.

Mesmo assim, os engenheiros de saneamento da cidade ainda estão conduzindo testes para determinar a real origem da gosma. Enquanto isso, os moradores locais devem esperar um pouco mais, e talvez investir na compra de um bom guarda-chuvas.

Astrônomos reúnem imagens de 'pontos turísticos' do Sistema Solar

Imagens feitas por diversos observatórios e satélites da Nasa mostram com detalhes a beleza dos fenômenos naturais nos planetas e estrelas do sistema solar.

Astrônomos do Royal Observatory em Greenwich, Londres, reuniram as fotos como uma coleção das melhores atrações turísticas do Sistema Solar.

Esse "guia astronômico" do sistema solar foi usada pelo Royal Observatory para marcar o lançamento da edição 2011 de seu concurso fotográfico Astronomy Photographer of the Year, aberto a astrônomos amadores do mundo inteiro.












segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

NOTA DE IMPRENSA: Astronauta garante ter visto nave espacial na Lua


Em 4 de Janeiro de 2010 o Correio da Manhã lançou uma notícia incrivel, que a muitos passou despercebida, dando conta de uma revelção extraordinária feita por um dos primeiros homens a pisar a lua. Segue-se a notícia na íntegra:

Edwin 'Buzz' Aldrin revela segredo da NASA em livro de escritor boliviano

A chegada do Homem à Lua, em 1969, terá sido vista por uma testemunha inesperada: uma nave extraterrestre. Esta é a versão de Edwin ‘Buzz’ Aldrin, um dos astronautas que acompanhou Neil Armstrong durante a missão ‘Apollo 11’, que será publicada na próxima semana num livro da autoria do boliviano Eduardo Ascarrunz.

É o segredo mais bem guardado da NASA”, salientou Ascarrunz, que obteve a revelação de Aldrin
durante uma entrevista feita há 10 anos, embora só agora tenha decidido publicá-la, com aprovação do astronauta.

‘Buzz’ Aldrin foi o segundo homem a pisar solo lunar a 20 de Julho de 1969, poucos minutos depois de Armstrong, na missão em que também participou Michael Collins.

De acordo com a obra, os astronautas informaram o centro de controlo da NASA, em Houston (EUA), sobre uma suposta nave ‘semi-esférica’ que os escoltava desde a sua chegada à Lua.

“Aqui estamos os três... e eles estão aqui, perto da nossa nave... Encontrámos uns visitantes”, terá referido Armstrong para a base norte-americana.

Pedidos mais esclarecimentos a partir da Terra, Aldrin apoiou as palavras do seu colega: “Lá fora está outra nave espacial. Eles estão do outro lado da cratera”.

O astronauta informou também que não foi possível filmar o acontecimento porque nesse momento as câmaras estavam a fotografar outros objectos.

A revelação de Aldrin constata que poderemos co-existir com outros seres no Universo.

De acordo com Ascarrunz, a NASA terá escondido os acontecimentos para evitar que estes se sobrepusessem ao objectivo inicial da missão ‘Apollo 11’, chegar à Lua primeiro que a União Soviética.

O Conde de St. Germain



O Conde de St. Germain (Transilvânia, 28 de Maio de 1696 — Eckernförde (?), 27 de fevereiro de 1784) foi uma das figuras mais misteriosas do século XVIII. Tido como místico, alquimista, ourives, lapidador de diamantes, cortesão, aventureiro, cientista, músico e compositor. Após a data de sua morte (de precisão incerta), várias organizações místicas o adotaram como figura modelo. Segundo relatos antigos, era imortal e possuía o elixir da juventude e a pedra filosofal.


É umas das pessoas mais misteriosas de todos os tempos, sua vida foi smplesmente maluca, cheia de invenções e história intrigantes. Muitos ainda acreditam que ele tenha conseguido a vida eterna, até existem alguns relatos de pessoas que o viram no século passado, sendo que ele nasceu no final do século XVII.

Nascido na Transilvânia em 1696, acredita-se que Saint Germain seja filho de Francis II Rákóczi, um príncipe exilado, mas ninguém tem certeza disso. Alguns boatos sugerem que ele é filho da esposa viúva de Carlos II da Espanha.

Pouco se ouviu falar de Saint Germain durante sua infância e educação. Somente em 1743 ele foi notado, quando já tinha 47 anos. Reza a lenda que já em 1758 ele apareceu na cidade de Versalhes, onde ganhou fama com suas habilidades de lapidador e venda de tecidos que não desbotavam com o passar dos anos. Essa história de roupas que jamais perdiam as cores foi a primeira lenda que ronda o nome de Saint Germain.

Nessa mesma época ele ganhou a confiança do Rei Luís XV, quando conseguiu de maneira misteriosa fazer com que uma falha existente em um diamante sumisse, sem que ele perdesse uma única grana. Pouco anos depois, Saint Germain saiu da França e foi para Bélgica, onde seu nome ganhou grande fama, pois
enquanto negociava com o governo belga, ele supostamente transformou ferro em ouro, para provar sua capacidade.

Após essa demonstração ele sumiu por 11 anos. Em 1774 ele aparece na Bavária e começou a vender poções e elixires. Novamente seu nome começou a ser notado quando os boatos que conseguia transformar metal em ouro ficaram mais fortes. Pouco tempo depois ele mudou de vida e começou a fazer trabalhos de caridade, doando remédios aos pobres.

No ano de 1784, quando ele devia ter 88, que era uma idade extremamente incomum para a época, surgiram noticias de sua morte, supostamente ocorrida no dia 27 de fevereiro, mas isso era apenas o começo dos mistérios que envolvem o Conde Saint Germain.
Cinco anos já haviam se passado desde a suposta morte do Conde de St. Germain, mas em 1789 um b0704ailhete foi entregue a condessa d’Adhemar, dizendo para que ela fosse para uma determinada Igreja e lá esperasse. Para sua surpresa, ela acabou encontrando o próprio Saint Germain, aparentando apenas 45 anos, sendo que ele deveria ter mais de 90 anos nessa época.

Outra pessoa que o viu e acabou se surpreendendo foi Giacomo Casanova, que diz ter conhecido o Conde em 1710 e ter o reencontrado em 1775 com a mesma aparência, como se os anos não tivessem contado para ele.

Ainda existem outras pessoas importantes e que não teriam motivo nenhum para mentir sobre Saint Germanin, que afirmam tê-lo encontrado em diversos lugares. Segundo alguns relatos, ele foi visto em Paris no ano de 1835. Annie Besant afirma que viu o Conde em 1896, já C.W. Leadbeater supostamente encontrou Saint German em



Muito se fala que ele esteja vivendo na Holanda.

Várias perguntas sobre Conde de St. Germain ainda estão sem resposta: Como ele conseguiu surgir do nada e se tornar um nobre de nome relevante? Como ele conseguiu todo dinheiro que possuía? Por que ele nunca comia em público? Por que em todo lugar que ele ia, sempre acaba se mudando em pouco tempo? Por que tantas pessoas de credibilidade afirmam terem visto ele com uma idade superior aos 150 anos?

Mistérios para os quais ninguém tem resposta.

domingo, 23 de janeiro de 2011

Ufo em Moscou 2011

Um estranho objeto brilhante, filmado do vigésimo andar de um prédio de Moscou, em 18/01/2011


sábado, 22 de janeiro de 2011

A Inquisição, os Gatos e a Peste Negra


Segundo a lógica a feroz perseguição aos gatos incitada pela Igreja Católica, dizimando quase por completo a população europeia destes animais no Século XIV, contribuiu decisivamente para a multiplicação de ratos, que eram portadores da Peste Bubónica. A terrível consequência disso foi a proliferação da Peste Negra (Peste Bubónica), que dizimou um terço da população europeia (de 1347 a 1350). A peste era causada pela bactéria Yersinia pestis, residente no pulga Xenopsylla cheopis que por sua vez habitava no rato preto indiano Rattus rattus. Esta espécie de rato originária da Ásia, foi trazida pela horda de guerreiros mongóis liderados por Gengis Khan, na sua imparável jornada de conquistas que teve como derradeiro destino a Europa.

A perseguição aos Gatos

A Igreja Católica foi a maior perseguidora de gatos da história, e na Idade Média, travou uma dura e longa cruzada contra os gatos e os seus admiradores. No ano 1232, o Papa Gregório IX fundou a Santa Inquisição, que actuou barbaramente durante seis séculos, torturando e executando, principalmente na fogueira, mais de um milhão de pessoas, sobretudo mulheres, homossexuais, hereges, judeus e muçulmanos. Igualmente médicos, cientistas e intelectuais, e... também os gatos, “ad majorem gloriam Dei”.

O Papa Gregório IX afirmava na bula Vox in Roma que o diabólico gato preto, "cor do mal e da vergonha", havia caído das nuvens para a infelicidade dos homens. Para acabar com a resistência dos celtas ao catolicismo, a Igreja Católica pregava que os sacerdotes druidas eram bruxos. Como os druidas viviam isolados e rodeados por muitos gatos, a Igreja começou a associar os gatos às trevas, devido aos seus hábitos noctívagos, e afirmava terem parte com o demónio, principalmente os de cor preta. Milhares de pessoas foram obrigadas a confessar, sob tortura, que haviam venerado o demónio em forma de gato preto, sendo logo depois, condenadas à morte.

Aeroporto de OVNIs


Se você quer ter um encontro com extraterrestres, há alguns lugares no mundo em que eles têm mais chance de acontecer. Um deles é a esotérica São Tomé das Letras, palco de aparições de objetos voadores não identificados (OVNIs) segundo garantem várias testemunhas oculares. Outro é a cidade de Gulf Breeze, na Flórida (EUA). Lá em 1987 uma série de aparições de discos voadores teria sido registrada em impressionantes fotos tiradas pelo morador Edward Walters. As imagens geraram vários debates até que um amigo de Walters confessou que elas seriam uma farsa. Apesar disso, caçadores de OVNIs continuam a visitar Gulf Breezes em busca de algum contato imediato.

Tumores faciais horríveis

Em 2008, um chinês chamado Huang Chuncai submeteu-se a uma cirurgia para remover um tumor de sua face. A cirurgia foi um sucesso, mas apenas uma parte foi removida. Alguns dias depois Huang voltou à sala de operação para remover a outra parte e dessa vez foi retirado um pedaço de 4,5 kg. Originalmente o tumor pesava 23 kg. Ainda restam 17,5 kg de tumor no rosto de Huang, que sofre de neurofibromatose, uma doença genética rara que causa o crescimento de tumores nos tecidos nervosos.

José tem um dos tumores faciais mais extremos já vistos na história da medicina. O português de 51 anos corre o risco de ser sufocado pelo tumor, a não ser que aceite passar por uma drástica cirurgia. Desempregado, ele é cego de um olho, resultado do tumor gigante que se desenvolveu em suas glândulas lacrimais e consumiu suas feições. O tumor alcançou sua boca e língua, causou abaulamento dos lábios, torceu suas gengivas e quebrou seus dentes. O tumor de 15 cm de profundidade – que começou como uma marca de nascença quando ele tinha 11 anos – foi formado por anomalias em seus capilares e veias. Começou a ficar muito grande quando ele atingiu 16 anos e não parou mais de crescer desde então. Recentemente ele discutiu sobre a possibilidade de remover parte do tumor, mas recusa-se a fazer qualquer cirurgia, visto que sua mãe é testemunha de Jeová e tal religião não permite transfusões sanguíneas. Médicos em Londres desenvolveram um plano para remover partes bem pequenas do tumor, pedacinho por pedacinho, assim não será necessária uma transfusão.


Phuong é um homem de 27 anos que tem um tumor facial que começou a crescer quando ele tinha apenas sete anos e rapidamente tomou todo o lado esquerdo do seu rosto, envolvendo seu olho e a orelha, obviamente impedindo-o de levar uma vida normal. Ele passou por três cirurgias, mas o tumor tornava a crescer. Recentemente, nenhum médico local ou equipe internacional a visitar a área se ofereceu para levar o seu caso adiante, devido ao risco envolvido com a perda de sangue e a necessidade de cuidados pós-operatórios. Esse caso é considerado difícil e precisa de um dia inteiro para realizar a cirurgia.
Algo que podemos perceber é que muito desses casos ocorreram no oriente, principalmente na China. Vale ressaltar também que algo pequeno e aparentemente inofensivo, como uma mancha, se não for devidamente cuidado pode nos dar um grande problema no futuro;
fique de olho...

Manuscrito Voynich


O manuscrito Voynich é um misterioso livro ilustrado com um conteúdo incompreensível. Imagina-se que tenha sido escrito há aproximadamente 400 anos por um autor desconhecido que se utilizou de um sistema de escrita não-identificado e uma linguagem ininteligível.

Ao longo de sua existência registrada, o manuscrito Voynich tem sido objeto de intenso estudo por parte de muitos criptógrafos amadores e profissionais, incluindo alguns dos maiores decifradores norte-americanos e britânicos ao tempo da Segunda Guerra Mundial (todos os quais falharam em decifrar uma única palavra). Esta sucessão de falhas transformou o manuscrito Voynich num tema famoso da história da criptografia, mas também contribuiu para lhe atribuir a teoria de ser simplesmente um embuste muito bem tramado – uma seqüência arbitrária de símbolos.

A teoria hoje mais aceita é de que o manuscrito tenha sido criado como arte no século XVI como uma fraude. O fraudador teria sido o mago, astrólogo e falsário inglês Edward Kelley com ajuda do filósofo John Dee para enganar Rodolfo II da Germânia (do Sacro Império Romano).

O livro ganhou o nome do livreiro polaco-estadunidense Wilfrid M. Voynich, que o comprou em 1912. A partir de 2005, o manuscrito Voynich passou a ser o item MS 408 na Beinecke Rare Book and Manuscript Library da Universidade de Yale. A primeira edição fac-símile foi publicada em 2005 (Le Code Voynich), com uma curta apresentação em francês do editor, Jean-Claude Gawsewitch, ISBN 2350130223.

Características

Trecho do manuscrito Voynich.

O volume, escrito em pergaminho de vitelo, é relativamente pequeno: 16 cm de largura, 22 de altura, 4 de espessura. São 122 folhas, num total de 204 páginas. Estudos consideram que o original teria 272 páginas em 17 conjuntos de 16 páginas cada, outros falam em 116 folhas originais, tendo 14 se perdido.

Percebe-se, pelos espaços ao final direito das linhas, que o texto é escrito da esquerda para a direita, sem pontuação. Análise grafológica mostra uma boa fluência. No total são cerca de 170 mil caracteres, 20 a 30 letras se repetem, umas 12 aparecem só 1 ou 2 vezes; Os espaços indicam haver 35 mil palavras; Os caracteres tem boa distribuição quantitativa e de posição, alguns podem se repetir (2 e 3 vezes), outros não, alguns só aparecem no início de palavras, outras só no fim; análises estatísticas (análise de frequência de letras) dão ideia de uma língua natural, europeia, algo como inglês ou línguas românicas.

Conforme o linguista Jacques Guy, a aparente estrutura do texto indica semelhanças com línguas da Ásia do Sul e Central, sendo talvez uma Língua tonal, algo como línguas Sino-tibetanas, Austro-asiáticas ou Tai.

Conforme datação por Carbono 14 feita pela Universidade do Arizona, o pergaminho data dos séculos XV ou XVI, sendo datas mais aproximadas, algo entre 1404 e 1438; Conforme análise do “Mc.Crone Research Institut” a tinta é da mesma época, embora as cores dos desenhos sejam posteriores. Nas páginas finais aparecem anotações mais recentes feitas em letras latinas nas formas de alfabetos europeus do século XV.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Mistérios nas estradas paulistas




Enquanto um policial do além “fiscaliza” o tráfego em pedágio, uma noiva fantasma busca uma “carona” para o altar aterrorizando os motoristas que passam próximos a Pirajuí, e em Pratânia a história do “lobisomem”
Se há um lugar que é um verdadeiro prato cheio para casos intrigantes, esse local, certamente, é a estrada.

Hostil por si só, seja pela lembrança de acidentes já ocorridos, ou pelo silêncio quebrado de forma brusca pelo veloz vai e vem de veículos, o ambiente de uma rodovia é propício ao surgimento de histórias do outro mundo.

Quem diz ter presenciado alguma – tem gente que conta ser testemunha de várias – história de fantasmas ou enigmas na rodovia, se arrepia apenas de contar, e quem ouve, a maioria, no mínimo fica intrigada e com uma certa pulga atrás da orelha quando passa no local mencionado.

Uma das testemunhas de que o além pode dar as caras por aqui é o jornalista Gustavo Cândido, que, em 2001, disse ter levado um dos maiores sustos da vida, ao se deparar com o que seria uma noiva fantasma, às margens da rodovia Marechal Rondon (SP-300).

Na época, ele trabalhava no Jornal da Cidade e era redator plantonista no Carnaval daquele ano. Após folgar no final de semana, ele deixou Pirajuí, onde passava o feriado com a esposa e sogros, para cumprir o plantão de segunda-feira no jornal.

Ao final do expediente, retornou para a cidade onde estavam os familiares, mas não contava com uma assustadora surpresa no caminho, aparentemente tranquilo no início da viagem noturna.

“Abri os vidros, aumentei o som e corri mais do que o normal, aproveitando a pista praticamente vazia. Passei no pedágio de Pirajuí às 23h30. Dois minutos depois, avistei de longe uma movimentação no lado esquerdo, iluminada apenas pelos faróis do meu carro”, narra.

A visão, acredita, não pertencia a esse mundo, literalmente. Ao chegar mais próximo, a revelação: “uma pessoa totalmente de branco.



Fixei o olhar na figura que, naquele momento, eu já imaginava não ser comum para aquele local e horário. Era uma noiva”, assegura. “A criatura acenava para que eu parasse. Nem pensei nisso. Apenas olhei com atenção enquanto passava”, completa.

Para garantir que não sonhava ou algo que o valha, Gustavo descreve com detalhes a intrigante visão noturna. “O vestido impecavelmente branco era bonito.

Pude ver os bordados no corpo. Os braços vestiam longas luvas brancas. Na cabeça, um grande volume de véus caia na frente do rosto, que eu não consegui ver”, detalha. “Era uma dama de branco acenando em desespero”, acentua.

Até hoje, o jornalista acredita que não se tratava de nenhum engraçadinho disfarçado de fantasma. A sensação que teve no momento, atesta, foi de que se deparava com o sobrenatural.

“Não olhei no retrovisor. Apenas tentei controlar qualquer reação, para não perder o controle do carro. No fundo, meu medo era de que a aparição fosse algo pessoal”, admite o jornalista.

Após contar o ocorrido a parentes e conhecidos, ele soube que a aparição da noiva é conhecida no local, o que gerou lendas ou fatos derivados.

“Ela teria sido vítima de um acidente quando saía para se casar em Pirajuí”, liga Cândido, ao relatar que, na mesma noite da aparição, outros dois motoristas teriam relatado a mesma experiência a frentistas de um posto na Rondon.

Intrigado, ele vasculhou arquivos do próprio JC em busca de acidentes com uma noiva a caminho do altar, mas nada encontrou.

Outra testemunha de mistérios da estrada é a também jornalista Rosane Coutinho Bender. Ela afirma ter uma sensibilidade aguçada e vez ou outra, relata, o além da as caras, seja com visões, aromas, e até mesmo por sinais sonoros.

Foi numa viagem entre Bauru e Jundiaí que ela diz ter ocorrido a primeira experiência com o sobrenatural.

“Passamos num pedágio (próximo a Botucatu) e vi, ao lado de um carro estacionado na área de descanso, uma criança loira, com cerca de dois anos, ao lado de uma mulher negra.

Pensei ‘que falta de cuidado, deixar essa criança ao lado da pista’ e comentei com meu filho, que dirigia. Ele disse que eu estava louca, que não havia criança alguma. Em fração de segundos, a criança não estava mais lá”, espanta-se.

Outro fato vivenciado por ela também aconteceu na estrada, mas em outro local. Ela diz ter visto um policial rodoviário, aparentemente, em fiscalização de tráfego também na saída de uma praça de pedágio.



A única estranheza, narra, é o fato dele não demonstrar qualquer reação em vista a forte chuva que caía. Assim como o episódio da criança, narra, o homem fardado foi visto apenas por ela e desapareceu numa fração de segundos.

E os contatos não se restringem apenas a estrada, conta ela. Numa agitada tarde de um dia de semana qualquer, Rosane estava parada num semáforo da rua Antônio Alves.

À sua frente, uma pessoa sentada no banco de trás, ao lado do acompanhante, num carro cujo modelo ela não se recorda, tinha algo incomum.

“Era possível ver através dessa pessoa. Era um velho, de chapéu, debruçado sobre o banco do acompanhante. Em dado momento essa pessoa olhou para mim”, lembra. “Achei que era miragem, fechei os olhos. Lembro do rosto dele até hoje”, comenta.



Vultos do asfalto


Mas é na estrada que os sinais do desconhecido parecem nos deixar, no mínimo, mais apreensivos. Um motorista de Bauru, cuja identidade será preservada, conta que, alguns anos atrás sentiu um calafrio em certa madrugada, na vicinal da rodovia Lourenço Lozano (SP-293), entre Cabrália Paulista e o trevo da rodovia Bauru-Ipaussu (SP-225).

Na época, morador de Paulistânia, o motorista diz que subitamente na penumbra ao lado de uma floresta de eucaliptos, no município de Cabrália Paulista, o foco do farol foi cortado pelo o que seria “algo com duas pernas” , relata, até hoje não sabe direito o que era. “Cortou a luz, passou na minha frente”, diz.

Nas histórias de estrada, ele vai além. “Um primo meu tem um carro que apresenta falhas (no motor) todas as vezes que passa pela “curva da morte” em Duartina”, completa, referindo-se ao ponto da mesma SP-293, famigerado pelos graves acidentes. “Era de lei, todas as vezes que passava por lá afogava”, conta.



É o bicho!


As lendas também atravessam a estrada, saem da cidade e vão para o mato. Em Pratânia, cidade próxima a Botucatu, o boato de que um “lobisomem” foi abatido nas redondezas, mexe com o imaginário da população.






O ser estranho, contam moradores, teria sido abatido com 23 tiros ou até mesmo com balas especiais e, de tão bizarro, seria mantido em sigilo no Departamento de Veterinária da Unesp de Botucatu.

O fato, relatado ano passado pelo jornalista Renato Fernandes, atualmente editor no periódico Diário da Serra, de Botucatu. Segundo testemunhas ouvidas por ele, o estranho ser teria sido encaminhado para o hospital veterinário da instituição.

O caso ganhou repercussão na Internet e virou sensação no site de videos Youtube, com imagens do que, supostamente, seria o “Lobisomem de Pratânia”.

Entretanto, nada foi comprovado e o suposto surgimento e abatimento da criatura seguem na lista dos boatos. A faculdade nega abrigar qualquer ser estranho.

“Esse animal não existe e nunca existiu por aqui”, assegura o professor Carlos Roberto Teixeira, responsável pelo Departamento de Animais Silvestres da Unesp/Botucatu. “Afirmo e garanto. Isso não passou por aqui”, negou, em depoimento colhido por Fernandes.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Um Viajante do Tempo flagrado em Foto

“Reabertura da ponte de South Fork depois da inundação de novembro de 1940. 1941 (?) – Ponte South Fork, Gold Bridge, B.C., Canadá”




O homem que parece usar óculos escuros modernosos ainda se veste de maneira despojada – para os padrões bem atuais – e segura uma câmera fotográfica portátil.
A conclusão não poderia ser outra: seria um viajante do tempo capturado em 1940?

a imagem está disponível no site online oficial dos museus do Canadá. Seria parte da exibição “Their Past Lives Here”, que teria sido exposta pelo menos desde o ano de 2004. Parece estar online desde fevereiro deste ano, possivelmente antes. A imagem com o “viajante do tempo” só foi notada como tal no final de março, quando foi indicada em alguns dos principais sítios onde este tipo de história pode ser disseminada: o fórum Above Top Secret, o agregador FARK e outros.

A princípio, dada a fonte, confiaríamos que seria uma fotografia autêntica, tomada pouco depois de 1940. Uma Error Level Analysis sugere que a imagem não foi manipulada digitalmente, ou pelo menos que, se foi, o manipulador foi perspicaz o suficiente para normalizar o erro por toda a imagem.